Os Mimos da Mãe e a Componente Social da Alimentação

Alimentação Saudável

A alimentação é um tópico sensível. Os livros de receitas são atualmente extremamente populares e na Suécia, aparentemente, é publicado um novo livro de receitas todos os dias. As refeições definem famílias, amigos e comunidades inteiras. A partilha da refeição marca tipicamente todos os eventos e celebrações importantes da vida.

Existem tantas opiniões e convicções sobre comida quanto pessoas neste mundo. Ao discutir os hábitos alimentares de um paciente (e peso), o tópico deve ser levantado com o máximo de sensibilidade. Caso contrário, a confiança entre paciente e médico pode ficar em risco. Normalmente começo por perguntar se a mãe do paciente ainda está viva. O que é que ela come? O que é que comia quando era criança? Leite materno? E depois?

“Os mimos da mãe” é uma metáfora para o que é mais querido para um paciente vulnerável, nomeadamente a sua mãe. A maioria de nós começa a vida a receber todo o sustento a partir do leite materno. Isto cria uma ligação muito forte entre mãe e bebé. Em Latim, a língua oficial da anatomia, o nome dado ao peito de uma mulher é “mamma”.

Nunca critique os hábitos alimentares de uma mãe (i.e. os hábitos alimentares do paciente)! Muitos pacientes adoram um prato particular e nunca sequer considerariam evitá-lo, mesmo que fosse um prato prejudicial de um ponto de vista médico. Um médico que procura melhorar os hábitos alimentares de um paciente, é por isso aconselhado a considerar a lei biológica da relação dose-resposta: comer algo prejudicial em pequenas quantidades terá efeitos quase impercetíveis no corpo.

Por isso, no que diz respeito à alimentação, e com as exceções relativamente a alergias e álcool para um alcoólico, não há nenhum motivo para prescrever uma abstinência total do prato preferido de uma pessoa.

Desde os anos 60 a indústria alimentar revolucionou as nossas vidas. Hoje, podemos comprar alimentos pré-cozinhados de quase todos os tipos. Contudo, estudos das pessoas mais saudáveis e que mais viveram no mundo mostram que comem alimentos naturais, não processados.

A base nutricional para estas pessoas são os cereais integrais, com longos tempos de preparação, muitas vezes na forma de papas, bem como feijões e outras leguminosas, legumes, frutas, bagas e peixe. Estes ingredientes são complementados por carne e ovos, dependendo da disponibilidade. Esta filosofia nutricional devidamente fundamentada chama-se Programa Okinawa ou dieta de Okinawa.

Fonte: Livro Igelosa, A origem da Wellness by Oriflame, de Stig Steen

Sem comentários